Multipessoal

Radicais, arrojadas, assustadoras: o ‘team building’ que nos deixa mais felizes no trabalho



Radicais, arrojadas, assustadoras: o 'team building' que nos deixa mais felizes no trabalho

Uma regata, aulas de culinária, caças ao tesouro, atividades na água, peddy-papers, gincanas… O que é que estas atividades têm a ver com o trabalho? Aparentemente nada, ou não estivessem todas elas associadas aos momentos de lazer. Mas a verdade é que fazem cada vez mais parte do mercado laboral, sob o lema do team building, um termo que até já dispensa tradução para português. Definido como um tipo de intervenção usada sobretudo para melhorar as relações sociais e tornar mais claras as funções dos elementos de uma equipa, assim como otimizar a realização de tarefas e de problemas interpessoais que possam afetar as equipas, há quem defenda mesmo que é o mais importante investimento que uma empresa pode fazer em nome dos que nela trabalham, porque cria confiança, reduz os conflitos, encoraja a comunicação e aumenta a colaboração.

É por isso que ofertas não faltam. E a imaginação aqui parece não ter limites. Aliás, team building é hoje tudo menos sinónimo de aborrecimento. Esqueça as tradicionais festas da empresas ou almoços em equipa, que foram substituídos, em muitos casos, pela adrenalina. Das ações mais radicais, às que têm o enfoque nas capacidades cerebrais, sem esquecer as fisicamente mais exigentes, há de tudo um pouco, até atividades que podem ser classificadas como no mínimo estranhas.

Por cá, não faltam empresas com ofertas, desde a construção de um barco (de papel) e navegação do mesmo, treino ao estilo do exército, missão de salvamento, quizz, tarefas culinárias, orquestra humana, caças ao tesouro e muito mais. Além-fronteiras, onde estas coisas do team building têm mais tradição (e anos de experiência), o desafio à imaginação vai ainda mais longe, com ações capaz de deixar de boca aberta até os mais aventureiros.

Na América do Norte, África e Austrália são vários os operadores que oferecem… mergulhos com tubarões. Por certo esta é uma atividade que não será do agrado de todos, sobretudo dos que tremeram ao ver filmes como Tubarão, já que envolve estar dentro de uma jaula, no fundo do mar, à espera que um desses pouco simpáticos animais se aproxime. E não estamos a falar de um tubarão qualquer, mas nada menos do que o grande tubarão branco, esse mesmo que protagonizou o filme atrás referido.

Para os amantes da espionagem e que sempre sonharam vestir a pele do James Bond, em Londres há uma empresa que transforma os participantes do team building em verdadeiros 007, graças ao treino fornecido, que inclui atividades como tiro com arco, combate corpo a corpo, condução de tanques de combate e até aulas para snipers.

É também do Reino Unido que vem outra ideia: vestir os colaboradores das empresas com gigantescos fatos de lutadores sumo e deixá-los resolver os seus problemas no ringue. A promessa de diversão é garantida.

E que melhor forma de estimular o trabalho de equipa do que a simulação da queda de uma avião no mar? É essa a proposta de uma empresa nos EUA, que coloca os participantes numa verdadeira aventura ao estilo dos filmes, em oito horas que incluem saltos de uma altura elevada, técnicas para escapar debaixo de água ou formação sobre como usar uma jangada.

Estes são apenas alguns exemplos. Muitos mais há, até porque, de acordo com um trabalho feito pelo grupo de investigação britânico ‘What Works Centre for Wellbeing’, publicado recentemente no Journal for Environmental and Public Health, as atividades partilhadas no local de trabalho podem estimular o bem-estar e a performance dos colaboradores, ao melhorar a ‘atmosfera social’. De facto, a revisão feita de 1.400 estudos e relatórios publicados um pouco por todo o mundo não deixa dúvidas: o team building consegue mesmo tornar-nos mais felizes no trabalho!

Multipessoal Blog

Blog oficial do Grupo Multipessoal, o blog sobre carreira, recursos humanos e emprego que eleva a sua carreira e o seu potencial.

Sem comentários:

Enviar um comentário